top of page

Post

Aumento de casos em diversos países de hepatite aguda grave de etiologia desconhecida em crianças

COMUNICAÇÃO DE RISCO

A Comunicação de risco tem como objetivo apoiar na divulgação rápida e eficaz de conhecimentos às populações, parceiros e partes intervenientes possibilitando o acesso às informações fidedignas que possam apoiar nos diálogos para tomada de medidas de proteção e controle em situações de emergência em saúde pública.

Descrição do evento: Em 05 de abril de 2022, o Ponto Focal Nacional do Regulamento Sanitário Internacional do Reino Unido notificou a OMS sobre 10 casos de hepatite aguda grave de etiologia desconhecida em crianças menores de 10 anos previamente saudáveis no cinturão central da Escócia. Ações realizadas: Comunicação com a Rede CIEVS, RENAVEH, SAES, GRIPE e CGLAB. Segue em monitoramento pelo CIEVS Nacional.

Em 05 de abril de 2022, o Ponto Focal Nacional do RSI para o Reino Unido notificou a OMS sobre 10 casos de hepatite aguda grave de etiologia desconhecida em crianças menores de 10 anos previamente saudáveis no cinturão central da Escócia. A idade variou de 11 meses a cinco anos. Nove casos tiveram início dos sintomas em março de 2022 e um teve início mais em janeiro de 2022. Todos os 10 casos foram detectados quando hospitalizados. Em 08 de abril de 2022, investigações adicionais em todo o Reino Unido identificaram um total de 74 casos que atendem à definição de caso. A síndrome clínica nos casos identificados é de hepatite aguda com transaminases acentuadamente elevadas, muitas vezes com icterícia, às vezes precedida por sintomas gastrointestinais, em crianças até 10 anos de idade. Alguns casos exigiram transferência para unidades especializadas de fígado infantil e seis crianças foram submetidas a transplante de fígado. Com base nos relatórios das unidades especializadas, nenhuma criança morreu. Em 12 de abril de 2022, 13 casos confirmados foram identificados na Escócia, 12 dos quais notificados em março e abril de 2022 (Figura 1). O Reino Unido informou que, além dos casos na Escócia, havia aproximadamente 61 casos adicionais sob investigação na Inglaterra, País de Gales e Irlanda do Norte, com a maioria desses casos com idade entre 2 e 5 anos. Também foram relatados nove casos de hepatite aguda em crianças entre 01 e 06 anos no estado do Alabama, nos Estados Unidos, que também testaram positivo para adenovírus. As investigações laboratoriais dos casos excluíram hepatites virais dos tipos A, B, C, D e E em todos os casos. Já SARS-CoV-2 e/ou adenovírus foram detectados em vários casos. O Reino Unido observou recentemente um aumento na atividade do adenovírus, que está co-circulando com o SARS-CoV-2, embora o papel desses vírus na patogênese ainda não esteja claro. Nenhum outro fator de risco epidemiológico óbvio foi identificado até o momento, incluindo viagens internacionais recentes. Dos 13 casos relatados pela Escócia para os quais informações detalhadas estão disponíveis sobre testes, três deram positivo para infecção por SARS-CoV-2, cinco deram negativo e dois foram documentados como tendo uma infecção nos três meses anteriores à apresentação. Onze desses 13 casos tiveram resultados para testes de adenovírus e cinco deram positivo.

Leia o conteúdo na íntegra:

(Fonte: Centro de Informações Estratégicas de Vigilância em Saúde – CIEVS)

Artigo complementar (em inglês):

Comments


bottom of page